Deita-se abaixo a parede!

Violência na publicidade.

2
389

Pensei eu, na minha ingenuidade, que mui rapidamente haveria um movimento de opinião contra o anúncio e que, por consequencia, ele iria ser prontamente retirado.

Não foi.
Não terá havido movimento contra.

E eu estou, portanto, na minha de bota-de-elástico, de estúpido defensor das crianças, das obras d’arte, da não-violência, que já nos bastam as imagens de devastação vindas da guerra na Ucrânia. Tudo assuntos doutras eras e eu deveria era ficar mudo e quedo no meu cantinho…Não fico.

Custa-me ver o ar amedrontado da jovem (embora saiba que é publicidade montada), quando se dá conta de que o pai, para lhe dar rede da Internet, decide pegar no camartelo e abrir à marretada um buraco na parede da sala, estragando quadros, fazendo estremecer tudo, para os filhos terem rede, uma vez que a da operadora contratada não atravessa paredes.

Ai não atravessa? Eu já trato disso! E há o rosto façanhudo do pai. E há o rosto assustado da jovem. E o anúncio continua a ser exibido na RTP 1!

2 comments

  1. Difícil seria que, sem uma campanha contra, fosse retirado um anúncio.
    Não se trata apenas de publicidade violenta, mas também enganosa, dirigida um público-alvo ainda muito jovem, mas capaz de influenciar os pais na obtenção de rede para os pomposamente chamados “gadgets” funcionarem.
    A legislação devia ser rigorosa, mas não é. E o problema começa pela definição dos conceitos: violento…enganoso…Como provar que o são?
    A ética na Publicidade e em outras áreas, é uma dimensão a precisar de ser insuflada de valores mais dialogantes, agora completamente subvertidos.
    A hierarquia desses valores tem de privilegiar a dignidade: nem de um lado vale tudo para vender mais, nem no espaço privado deve prevalecer a tirania do “prefiro dinheiro como prenda para um telemóvel melhor”.
    Responsabilidades política e civil, devem dar as mãos, mas os primeiros educadores são os pais. Não podem demitir-se das responsabilidades.
    Grata, José D´Encarnação por trazer esta matéria à reflexão.

Leave a reply

Please enter your comment!
Please enter your name here