“Os jornalistas são uns merdas”

Os jornalistas têm evitado o tema da mão-de-obra estrangeira escravizada em Portugal. As nossas televisões e jornais preferem priorizar outras coisas. Mas agora tornou-se inevitável falar por causa da pandemia em Ourique.

0
1412

Há 30 anos, uma família com uma criança de tenra idade viveu nas traseiras da RTP, dentro de duas caixas de cartão. Mas ainda havia quem fizesse contas às moedas que o homem, arrumador de carros, pedia para sustentar a família. Não tinham nada, nem casa de banho, nem água ou comida para o bebé. E os jornalistas o que disseram? Nem uma palavra.

Também por lá esteve, durante dois anos, um homem bem posto que montou uma casa. Tinha sala sem tecto, cozinha sem fogão ou máquinas. O quarto era um saco cama. Tudo a fingir. As flores da jarra eram verdadeiras. Daninhas! A polícia espezinhou-lhe a casa várias vezes. E os jornalistas o que fizeram? Nem uma imagem.

Outro homem também ali viveu uma dezena de anos. Deambulava pela Avenida 5 de Outubro. Era gordo de tantos bolos que lhe davam.

Confesso ter hoje um terrível sentimento de culpa. O indomável Batista Bastos disse-me: “os jornalistas são uns merdas, às vezes”, porque fazem “jornalismo de precaução”. Deixamo-nos enredar pela multidão do Fado, Fátima e Futebol.

Há três anos eu ía fazer imagens dos frigoríficos do Oeste, cheios de vietnamitas. Propriedade de um empresário que deveria honrar o pai. E não fiz. “Queres mais um processo?”. “Os jornalistas são uns merdas” quando recuam.

Leave a reply

Please enter your comment!
Please enter your name here