Serviços Prisionais têm seis andares na luxuosa Avenida da Liberdade

Antropóloga Catarina Frois revela carências nas prisões

1
1968

É uma espécie de contradição irónica, o facto dos Serviços Centrais da Direção Geral de Reinserção e Serviços Prisionais estarem instalados num prédio alto da Avenida da Liberdade.

Daria para jogar com as palavras se não tivéssemos folheado o livro da antropóloga Catarina Frois. O estado dos estabelecimentos prisionais portugueses é descrito no livro “Prisões” da autoria daquela antropóloga: “a sensação principal é a de estarmos perante pobreza, ou melhor, carência, a vários níveis: material, psicológica, comunitária”- afirma em entrevista ao Jornal de Noticias

A Direcção Geral dos Serviços Prisionais tem ainda mais 3 andares nas traseiras do prédio da Avenida da Liberdade, com entrada pela Rua da Glória.

O edifício com o número 9 está na mais cara avenida de Lisboa. Onde se localizam as grandes lojas de marcas de moda e joalharia do mundo inteiro. Os Serviços Prisionais têm também um palacete na Praceta da Cruz do Torel e outras instalações na Avenida Almirante Reis, em Lisboa.

Existem importantes carências nas prisões portuguesas, de “guardas prisionais, profissionais de saúde, de educação, técnicos de acompanhamento a quem está privado de liberdade e atividades laborais. Mesmo nos locais em que essas atividades estão previstas e há condições para serem realizadas nem sempre se consegue que sejam operacionalizadas”, lê-se no livro.

O livro de Catarina Frois, fruto de dois anos de trabalho, resulta da visita a 10 das 49 prisões portuguesas, não se vende em nenhuma das lojas da Avenida da Liberdade.

Este trabalho de Catarina Frois foi apresentado em fevereiro deste ano. Desde então, a vida dentro das cadeias só piorou. O livro está, agora, em promoção de Natal na FNAC, custa 2,80 €. Uma bagatela, mas quem quer saber do que se passa dentro das prisões?

1 comment

  1. Só é pena a autora não ter entrado dentro de edificio da Av da Liberdade para ver as condições. O da Rua da Glória onde funciona a informática até chove lá dentro. Podia passar também pelo Torel que não é numa Praceta mas sim numa Travessa onde até já caiu uma parte do telhado num departamento. O da Almirante Reis pertencia ao antigo instituto de reinserção social. A autora fala do que não sabe se calhar é por causa disso que o livro não é vendido na Av da Liberdade. Eu ao contrário dela trabalhei nesses edificios por mais de 30 anos e ela conhece 10 das cadeias e eu conheço as 49 até conheci as que já fecharam.

Leave a reply

Please enter your comment!
Please enter your name here