Lewis Hamilton, o campeão

1
719

Depois de vencer o Grande Prémio de Portugal de Fórmula 1, Lewis Hamilton tornou-se no piloto com mais vitórias de todos os tempos nesta modalidade do desporto automóvel. É um ídolo para as multidões e para as marcas que o patrocinam, mas é também um ativista pelos Direitos Humanos.

Hamilton é um predestinado e um obstinado, um pouco à semelhança do maior futebolista de todos os tempos, Cristiano Ronaldo. Ambos conseguem carreiras fenomenais fruto da vocação, de uma grande auto disciplina e dos apoios essenciais da família e dos patronos. Mas Hamilton faz mais um bocadinho, guardando tempo para se dedicar a causas humanitárias, à luta pelos direitos das minorias.

Cristiano Ronaldo e Lewis Hamilton têm origem em famílias desestruturadas, sem condições financeiras. Mas deram nas vistas ainda muito pequenos. Cristiano dava pontapés na bola no Andorinha, um clube modesto no Funchal. Lewis começou a correr em mini carros aos seis anos, depois dos pais se terem divorciado. Cristiano foi escolhido pela escola do Sporting e veio para Lisboa. Lewis foi escolhido pela escola da McLaren. O resto é história.

E se nunca vimos Cristiano Ronaldo numa manifestação na via pública, o mesmo não acontece com Lewis Hamilton que marca presença e dá a cara pelas causas em que acredita. Foi o que aconteceu quando se juntou às manifestações organizadas pelo movimento “Black Lives Matter”, na sequência da morte de George Floyd, ou quando se juntou às manifestações contra a brutalidade policial que resultou na morte de Breonna Taylor.

Lewis Hamilton não só está nas manifestações como, depois, revela o seu empenhamento ao publicitar os eventos nas redes sociais. Ele usa preferencialmente o Instagram.

Após a vitória no GP de Itália, este ano, Lewis Hamilton subiu ao pódio usando uma camiseta com a frase “Prendam os policias que mataram Breonna Taylor”, jovem negra assassinada dentro de casa por policias que cumpriam um mandado de busca e apreensão por motivos aos quais a vítima era alheia, em 13 de março de 2020.

Quando Lewis Hamilton levanta o braço, nem sempre está a comemorar a vitória numa corrida. Às vezes está a dar o corpo às balas.

1 comment

Leave a reply

Please enter your comment!
Please enter your name here