BÊBADOS AO VOLANTE

0
664

Mais de 3 mil automobilistas foram condenados a penas de prisão em 2021. Excesso de velocidade e álcool no sangue foram as principais causas das condenações. Em 2022 os números deverão ter continuado a subir, estimam as autoridades.

Dos mais de 3 mil condenados, apenas 390 cumpriram penas efetivas de prisão. Os restantes ficaram com pena suspensa e convertida em multa. Quem conduz com uma taxa de álcool superior a 1,2 gramas por litro de sangue, está a cometer um crime, à luz da lei em vigor.

Aumento exponencial em 2022

Os dados preliminares relativos a 2022 dizem que o número deste tipo de infrações continua a aumentar. Segundo a GNR, em declarações à Revista ACP, “temos um aumento de 50% em relação ao ano anterior”. A PSP diz que “mesmo comparativamente ao ano 2019, pré-pandemia, há um aumento expressivo de infrações”.

Este ano, até agora, o número de condutores apanhados com taxas proibidas de álcool no sangue aumentou em cerca de 60% e as detenções aumentaram 77%, o que significa que se anda a beber muito mais do que era habitual. Em números absolutos, significa que mais de 18 mil condutores foram multados por excesso de álcool, cerca de 3 mil por mês, ou seja, 100 por dia.

Natal e o Ano Novo ajudam “à festa”

Para se ter a noção da quantidade de alcóol que se anda a beber, é preciso saber que, por exemplo, um homem de 75 quilos que beba dois copos de vinho (125 ml) com um volume alcoólico de 13% à refeição, terá uma taxa de álcool no sangue de 0.4 g/l. Precisará de beber 6 copos de vinho para ultrapassar a taxa crime.

Mas há variáveis, como a quantidade de comida sólida que se ingere com a bebida. Se comer mais, a taxa de alcoolémia desce. Com outro tipo de bebidas, whiskey, gin, licores, aguardentes, de teor alcoólico elevado, não precisa de beber tanto para cometer crimes ao volante de um automóvel.

Leave a reply

Please enter your comment!
Please enter your name here