Styler, arte pública

1
6419

Filho de uma francesa e de um português, nasceu em Lille nos anos 90, vive entre França e Portugal. Define-se como autodidata e começou pinturas murais em 2004. Hoje, com alguma notoriedade a nível nacional, espera vir a ganhar mais nome além fronteiras.

O seu mural de homenagem ao arquitecto paisagista Gonçalo Ribeiro Telles foi notícia e o rapper norte-americano Snoop Dogg ficou tão impressionado com o retrato dele feito que o divulgou na rede social Instagram.

O Duas Linhas foi encontrar João Cavalheiro, cujo nome artístico é Styler, num sábado de manhã, enquanto dava forma e cores a uma nova obra nas imediações de um mural situado numa escadaria urbana na Rinchoa, concelho de Sintra. 

“O Styler surgiu do nome Style, era uma alcunha que eu tinha, antigamente, quando cheguei de França”, revela-nos o artista, que diz dever a alcunha ao facto de se vestir “com marcas betinhas”. Mas em 2009, “optei por assinar Styler, devido à estética das letras, porque achei que o ‘r’ conseguia fazer uma estética diferente na minha caligrafia e no meu nome”. 
Este luso-descendente assume que a sua Lille natal o influenciou: “O meio rural, a natureza… é muito bonito, as paisagens são diferentes, acho que isso tudo acaba por influenciar a visão de um artista”.

Entre terras lusas e gaulesas, onde estudou e trabalhou em diferentes fases da vida, este autodidata assume que começou a pintar de forma ilegal. “Depois comecei a tentar encontrar sítios mais pacatos como fábricas abandonadas para explorar e estar à vontade, e comecei a ter algumas pessoas interessadas no meu trabalho, e comecei a fazer alguns trabalhos, até que decidi começar a trabalhar a full time“. 

Quem faz graffiti ou street art trabalha com tintas e sprays muitas vezes potencialmente tóxicos: “Em relação ao spray, a longo prazo é uma coisa prejudicial à saúde, por causa dos aerossóis: como tem a base de celulose, alcatrão, tem coisas muito prejudiciais” e por isso já começou a explorar técnicas com com rolos e trinchas. Styler já teve um susto de saúde por causa dessas substâncias: “Já tive uma paragem respiratória, foi um bocado complicado nessa altura [há quatro anos], e comecei a pensar duas vezes e fazer mais trabalhos a rolo para conseguir alternar”.

Entre artistas que o inspiram, destaca o nome do pintor catalão Salvador Dalí: “há algo ali muito interessante”, diz João Cavalheiro. No que concerne ao global Banksy, um artista contra o sistema cuja verdadeira identidade é desconhecida até hoje, diz apreciar mais o conceito do que a técnica. Quando se fala de artistas portugueses, recorda Odeith, que se destaca também no estrangeiro. Quanto aos nomes mais falados na actualidade, Vhils (Alexandre Farto) e Bordalo II,  não coloca de parte a hipótese de vir a trabalhar com eles.
Recorda que já fez alguns trabalhos em conjunto, como Narc de Mafra ou Vasco Costa (ilustrador e street artist). 

O primeiro trabalho encomendado por uma autarquia foi em Rio de Mouro, no muro de uma escola básica, sob o tema da reflexão a partir de um poema. Sobre o seu “santuário” na Rinchoa, Styler diz que a autorização só chegou “depois de ter mostrado trabalho”, mas hoje tem liberdade criativa e o respeito dos moradores.

É sabido que o graffiti (ou street art) é mal visto por parte da população, que associa esta forma de expressão contemporânea a vandalismo, desordem ou até delinquência, apesar de nos últimos anos existirem estudos nas áreas das Ciências Sociais e Humanas que procuram ver outros lados desta forma de arte. Quanto aos preconceitos, Styler diz que “hoje em dia também há arquitectos que pintam murais e fazem grafitti…”.

Reportagem de Ana Catarina Rocha (texto e fotos)

e Carlos Narciso (vídeo e fotos)

1 COMENTÁRIO

  1. Sou fã dos trabalhos criativos deste artista. Conheço diverços dos seus trabalhos por por toda a grande lisboa. Troquei uns 10 minutos de conversa enquanto ele fazia um trabalho na “taverna do municipio” , Sintra.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui