O PINTOR AFEGÃO

0
2122

Sempre que consegue vender um quadro, fica feliz. E quando recebe novidades sobre esse quadro, partilha com os outros.

Kaihan Hamidi pinta compulsivamente. Aguarelas suaves, às vezes sombrias, outras saudosas, luminosas, todas belas.

Porto e Beja, nas telas de Kaihan Hamidi
Lisboa e Braga, nas telas de Kaihan Hamidi

Kaihan chegou a Portugal, fugido do Afeganistão. Os que hoje mandam no Afeganistão não gostam de artistas, sejam eles músicos, pintores ou cineastas, poetas ou escultores. Não gostam de gente de livre pensamento, do traço irreverente, da transparência do canto, são ortodoxos do poder absoluto, do pensamento único, fascistas islâmicos iguaizinhos aos fascistas de qualquer outra religião.

Kaihan vive em Portugal, onde tem liberdade. Encontramo-nos no Nicola, no Rossio, e transacionámos uma obra de arte saída dos seus pinceis, da sua paleta de cores aguadas.

Naquilo que me parece ser a calçada de São Francisco, a caminho do Chiado, na sombra dos edifícios pombalinos sobe uma luz elétrica em direção à esperança por uma vida em dignidade.

Kaihan Hamidi na parede de minha casa ao lado das serigrafias de Clotilde Fava

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui