PRÉMIOS ESTORIL-SOL 2023 para enaltecer as letras

A cerimónia de entrega de prémios literários e do Prémio Cidadania Cultural, realizada, ao final da tarde do dia 7, no auditório do Casino Estoril, foi mais do que mera cerimónia: foi um grito! Grito no sentido próprio do termo: brado de alerta, chamamento de alguém em aflição.

0
1016

Num discurso de 13 minutos, acentuou Mário Assis Ferreira, em nome da Estoril-Sol, a entidade promotora dos certames, que a cerimónia consubstanciava a coroação dum programa de intervenção cultural, levado intransigentemente a cabo, mau grado as situações mais adversas por que se vem passando. Quer a Estoril-Sol – com a revista Egoísta, com a galeria de arte (teve uma palavra de saudosa homenagem ao seu dinamizador Nuno Lima de Carvalho) e mediante estes prémios – continuar a contribuir para a renovação da paisagem cultural, nomeadamente literária, nacional:

«A promoção da Cultura é uma marca d’água que há muito nos acompanha e de que, neste dealbar de nova concessão que nos foi outorgada, não queremos prescindir», sublinhou.

Dos premiados falaram também o presidente do júri, Guilherme d’Oliveira Martins e eles próprios.

Teresa Veiga foi galardoada com o Prémio Literário Revelação Agustina Bessa Luís, pelo seu livro O Senhor d’Além, de que se louvou a exemplar sobriedade estilística, considerando o livro um «elogio à arte de bem escrever». Marco Pacheco apresentara a concurso o livro «A Guerra Prometida»: «uma história familiar e social de grande alcance humano», engendrada a partir da iniciativa empresarial de Francisco Grandella, homem de grande capacidade de correr riscos.

Graça Morais, a «exilada em Bragança» (esteve na sessão o presidente do Município brigantino), representa para mim essa vontade enorme e digna de fazer olhar para o interior do País. Dela se acentuou o seu permanente apego aos outros, às tradições, à Natureza, a sua enorme solidariedade para com as outras mulheres.

Após a entrega dos galardões e dos sobrescritos com o valor do prémio, respectivamente pelo presidente do júri e por Mário Assis Ferreira, disseram os premiados de sua justiça.

Teresa Veiga, em dois minutos, mostrou-se «grata e honrada», evocou Namora e declarou: ‘«Sou apenas uma contadora de histórias».

Marco Pacheco: 10 minutos de intervenção, que deve ter sido interessante, mas que, por ter falado tão rápido e nada silabado, decerto não logrou ser cabalmente entendido pela assistência. Percebi, no entanto, que contou como chegara à publicidade, actividade a que profissionalmente ora se dedica; que o livro até consubstancia uma ‘parte autobiográfica’, para além da história de Francisco Grandella e dos seus Armazéns, afirmando, a terminar, que tem aprendido muito, mormente a partir do momento, se bem compreendi, em que o seu cérebro «começou a perceber o mundo e a desconfiar dele».

Falou três minutos Graça Morais, a partilhar com todos a honra de estar a ser homenageada como «Mulher, Artista e  Cidadã», «num mundo cada vez mais avesso à Cultura».

Seguiu-se um jantar de confraternização, em honra dos premiados, que reuniu no Restaurante Zeno Lounge, do Casino, cerca de meia centena de convidados, pessoas ligadas, de modo especial, à Literatura e à Cultura em geral.

Fotos da cerimónia de Conceição Alves gentilmente cedidas pelo Gabinete de Imprensa do Casino Estoril

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui