O medo…

Estou a ler o segundo romance do Guilherme Leite que irei ter o prazer de apresentar no próximo dia 23, na Associação 25 de abril, em Lisboa. Deixo-vos só com este “aperitivo”, um dos muitos retratos da sociedade portuguesa de antes da Revolução de 1974 que recheiam a narrativa desta história. Um tempo em que o medo tomava conta das pessoas.

0
1035

– Telefonaram de Cascais…

 – Foi a malta do Centro Cultural de Cascais? A sala desses gajos é muito pequenina, não dá para a montagem…

– Não são esses. É uma colectividade que fica para os lados do campo do Estoril. Na Amoreira. O nome é bom, pá! Grupo de Instrução Popular da Amoreira.

 – Com um nome desses não podemos faltar! Está mesmo a pedir António Aleixo.

E não faltaram. Foram. Estava tudo a correr muito bem, o Avenidas a representar que era um brinquinho, e de repente um dos directores da colectividade de Instrução Popular, começou a nem acreditar no que estava a ouvir. Pelos vistos a primavera marcelista ainda não o tinha libertado do Inverno salazarista. Ou na realidade essa Primavera mais não era do que sol de inverno e de pouca duração, cujos raios nunca conseguiram trazer a luz da liberdade.

Não! Aquilo que estavam para ali a dizer no palco ainda podia dar problemas. Aquilo é política, pá!, disse ele para um colega de direcção que até parecia estar a gostar, e sem sequer esperar pela opinião do outro, foi direito ao palco e mandou parar a representação com berros de “isto não se pode dizer”, “estão todos doidos?”, “mas vocês querem ir presos?”.

A representação acabou ali mesmo… (…)…  Passados poucos dias, Fernando Grade, poeta e jornalista do A Nossa Terra, jornal regional de Cascais, publicava um artigo cujo título era “Quem Tem Medo de António Aleixo?”

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui