CÃES NO JAPÃO VÃO DE KIMONO REZAR AO SANTUÁRIO

A taxa de natalidade nos países industrializados é cada vez mais baixa. O caso do Japão é paradigmático. Sem crianças, os japoneses estão a tratar os animais de estimação como filhos. Especialmente os cães.

0
646

Há quem leve os seus cães em longas viagens de avião, para poderem participar em cerimónias religiosas onde os animais são aceites.

Nesta altura do ano, o Japão celebra uma tradição xintoísta milenar, o ritual Shichi-Go-San (significa sete-cinco-três, em japonês). É a altura de rezar pelo futuro das crianças que façam essas idades no ano em curso. Resulta numa demonstração de amor pelos filhos, onde se pedem aos deuses que as crianças tenham uma vida sem sobressaltos e com saúde. Como há cada vez menos crianças, os santuários estão a aceitar que as pessoas levem animais de estimação.

As fotografias que exibimos dizem respeito à cerimónia que ocorreu no santuário Zama, perto de Tóquio. Os sacerdotes já adaptaram o ritual tradicional à nova realidade. O ritual Shichi-Go-San tem novas rezas onde os pais de animais de estimação podem orar pela saúde e felicidade de seus animais.

Tal como se faz com as crianças, também os animais são vestidos com quimonos (roupa tradicional japonesa). No santuário de Zama já existe o ‘Inuneko Jinja’, o altar do Gato Cão. Os animais não rezam, mas os donos sim. O sacerdote xintoísta dá-lhes a bênção tradicional, que abrange toda a família.

A taxa de natalidade do Japão diminuiu pelo sétimo ano consecutivo para um mínimo histórico, enquanto as mortes aumentaram para um máximo histórico.

O santuário informou que este ano celebrou a cerimónia para 120 animais de estimação.

fonte: Reuters

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui