SÃO JOVENS E REVOLUCIONÁRIOS

0
524

São jovens e são revolucionários, em pensamento e em ações. Inspiram-se em movimentos sociais semelhantes que surgiram um pouco por toda a Europa. Algumas ações são idênticas às performances reivindicativas do movimento inglês Just Stop Oil, por exemplo.

Partem vidros de fachadas de empresas que enriquecem à custa da degradação ambiental, cortam estradas para chamar a atenção para a poluição ambiental, juntam-se a manifestações pela defesa de espaços verdes, mas também lutam pelo direito à habitação, pela liberdade de expressão, contra o racismo. É malta que luta, que não fica no sofá.

Tanta irreverência paga-se. São detidos, levados a julgamento e condenados. Assumem que é um preço a pagar. “Ações pacíficas pela proteção da vida e pela luta por justiça social são condenadas. Temos a tranquilidade de saber que não é um crime lutar pela vida. Quem está a atacar, matar e destruir tudo o que amamos tem de ser travado”, dizem os ativistas da Climáximo.

Argumentam que as Nações Unidas alertam para a urgência climática em que o mundo já mergulhou e que a Organização Mundial de Saúde garante que milhares de pessoas morrem, todos os dias, devido a questões ambientais. Lembram que as cimeiras mundiais do clima começaram já há mais de 40 anos, numa manifestação de inutilidade absoluta, porque nada foi feito para impedir o estado a que chegámos. Cansados de protestos bem-comportados, radicalizaram-se. Começaram a partir vidros e a borrar pinturas (que nunca são as originais que estão patentes ao público).

Ativistas em ação no CCB, Lisboa

Mais uma vez, ações semelhantes são executadas em diferentes países. “Jovens têm-se manifestado em Lisboa e um pouco por toda a Europa. Já não recorrem às antigas manifestações multitudinárias que se têm demonstrado para este efeito pouco eficazes”, dizem. E de quem será a culpa por não terem sido escutados, enquanto se portaram bem?

“Para quebrar a falsa sensação de paz, é preciso quebrar a normalidade”, lê-se nas redes sociais da Climáximo. Quando partem um vidro, remetem-nos para o exemplo dado pelas sufragistas norte-americanas “que quebraram múltiplos vidros até conquistarem o voto.”

Sufragistas em luta no início do século XX

Escolheram um caminho difícil. Quando o Estado se sente ameaçado, por vezes apenas desafiado, aciona todos os meios ao dispor para repor a ordem. Há dias, 12 apoiantes do Climáximo estavam reunidos num jardim, quando foram abordados por polícias à paisana, levados para a esquadra para serem identificados, de onde só saíram passadas 5 horas. Foi um sinal de intimidação.

“Todos os momentos de crise necessitaram de desobediência assertiva”, dizem. Sem medo.

Facebook

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui