DESUMANIZAR AS VÍTIMAS PARA CONTINUAR A MATAR

Artigo de opinião.

0
906

A política dos EUA é um nojo. Nada na lei americana impede senadores de venderem a alma ao diabo e eles vendem. Senadores que recebem financiamentos do lobby judeu, votam sempre a favor de Israel, mesmo que isso possa não ser do interesse do povo americano ou sequer do interesse da humanidade. O que se passou no Conselho de Segurança da ONU, com os EUA a vetar a proposta do Brasil para um cessar-fogo humanitário, diz tudo sobre a força deste lobby. Em 1980, o atual primeiro-ministro de Israel já sabia com o que podia contar…

vídeo

Dinheiro. Grupos de lobby pró-Israel irrigam com milhões de dólares as carreiras políticas de senadores, governadores estaduais, membros do governo, sob uma única condição: seguir à risca a propaganda israelita. 

Controlar agentes políticos e controlar a rede mediática, são os pilares essenciais para Israel ter o que quer do “monstro” militarista em que se transformou o sistema político dos EUA.

Israel comanda um dos lobbies mais poderosos do planeta enquanto mantém os palestinianos de Gaza na maior prisão a céu aberto do mundo. Como poderá a Palestina, que nem controla o fornecimento de água, comida e eletricidade ao seu povo, combater o lobby israelita sobre o Congresso e a imprensa da maior potência mundial? As iniciativas disruptivas a que chamamos terrorismo é uma das vias que tem sido experimentada, com custos imensos em perdas humanas.

Nesta crise a que assistimos hoje, os títulos jornalísticos alinharam incondicionalmente com o slogan de que esta é uma guerra contra o Hamas e não contra o povo palestiniano. Isto tem sido dito e repetido ao mesmo tempo que a retaliação israelita ceifa vidas a eito, sem olhar a quem, numa incontida pulsão vingativa sanguinária.

O primeiro-ministro israelita avisou pela televisão que ia arrasar Gaza e advertiu os habitantes para fugir para sul. E mandou bombardear o sul. E mandou bombardear os que tentavam partir. E mandou bombardear os que teimaram em ficar.

Semear a ideia de que a guerra é contra o Hamas, faz com que todas as vítimas sejam etiquetadas como militantes desse partido político classificado como terrorista, desumanizando-as. Assim tentam calar os gritos de indignação perante os crimes que estão a ser cometidos. Sobram poucos que sejam capazes de furar tal redoma. António Guterres levantou essa bandeira, com coragem.  

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui