E o bobo pagou as favas!

Engalanou-se o Salão Preto e Prata do Casino Estoril com os seus melhores pergaminhos de excelente palco para receber um espectáculo maior, como o é uma ópera de Verdi. Rigoletto ali se apresentou, com êxito, na noite do passado dia 9

1
1270

Rigolare significa, em italiano, rir, troçar, diligenciar para que todos estejam bem dispostos. Esse, o tradicional papel do bobo, cuja figura caricatural é sempre a de um anão, aparentemente desprovido de algum senso, de forma que nunca lhe sejam demasiadamente tomadas a sério tanto frases como atitudes. Enfronhado nos labirínticos escrínios palacianos, goza o bobo de uma liberdade aos demais não permitida, pelo que, a rir, amiúde, desvenda segredos e desmascara conluios. Rigoletto, o protagonista da ópera homónima de Giuseppe Verdi, significa, pois, «o risinho», designação sarcástica e, simultaneamente, carinhosa.

O enredo da ópera gira, por consequência, em torno das costumadas intrigas amorosas que passam por conquistas, raptos e culminam, aqui, em desastrado homicídio errado: cumpriu-se a maldição que pairava sobre o bobo, que viu morrer em seus braços a filha amada.

Da ópera faz parte a conhecida ária «La donna è mobile», que celebra a volubilidade sentimental da mulher:

«A mulher é volúvel. Como pluma ao vento, muda de palavra e de pensamento. Sempre um amável, gracioso rosto, em pranto ou em riso, é mentiroso. É sempre um infeliz quem a ela se entrega, quem lhe confia incautamente o coração! No entanto, nunca se sente, plenamente feliz quem naquele seio não saboreia amor!».

O espectáculo levado à cena no Casino Estoril cumpriu plenamente os objectivos e não deram por mal empregado o seu tempo quantos ali acorreram e quase esgotaram o salão. Amiúde, as actuações foram sublinhadas por aplausos – que, aliás, também se não regatearam, de pé, no final. No caso, são sobretudo as interpretações musicais que se apreciam e todas mereceram, de facto, esse aplauso.

Lamente-se que a empresa responsável pela vinda ao Estoril deste grupo de artistas, que nem sequer vem identificado no cartaz, também não haja proporcionado o rol dos actores e respectivos papéis. Foi um mau serviço prestado ao Teatro e aos seus intervenientes.

No cartaz apenas se alude à Orquestra Filarmónica de La Mancha, sob direcção musical de Francisco Antonio Moya; diz-se que Frederico Figueroa se encarregou da direcção de cena e que a Maria José Molina coube a direção artística. E quem foi o maestro? Quem fez de Rigoletto com essa potente voz de barítono? Não se distribuiu o habitual libreto e os espectadores gostariam de saber quem foi o protagonista, quem a donzela apunhalada por engano, quem o duque sedutor… Paciência!

Houve, porém, o cuidado de passar em legenda luminosa superior a tradução para um português um tudo-nada desajeitado e com gralhas frequentes do que se ia cantando em italiano; os cenários mostraram-se singelamente adequados; a orquestra acompanhou e sublinhou a contento o espectáculo inteiro, ainda que, como é natural, mais tivesse vibrado, em compasso de valsa, na execução da ária mais conhecida.

Apesar de tudo, boa iniciativa a de ópera no Salão Preto e Prata. Venham mais! Nós merecemos!

Fotografias gentilmente cedidas por Conceição Alves (Casino Estoril).

1 COMENTÁRIO

  1. Gostei de saber, por este texto de José d´Encarnação, o que se manteve em cartaz no Casino do Estoril na noite de 9 de Junho no Salão Preto e Prata.
    Lembrei-me de Victor Hugo: Rigolletto, essa ópera de Verdi em três actos, foi inspirada na peça do escritor em 5 partes, Le Roi S´Amuse. É uma adaptação.
    Se tivessem mantido estrutura e enredo, o público daria conta de uma severa crítica social de certo período da História de França. Mas até no tempo em que foi estreada (em Novembro de 1832) a peça foi interdita…
    Na ópera de Verdi o rei é despromovido, ou melhor, temos um duque… Mantém-se a importância do bobo nas cortes, este com pretensões demasiadas e diferente do risonho bufão.
    Mantém-se também alguma moralização: as vinganças geram sempre mais vingança, neste caso uma severa punição.
    Lamento saber das deficiências da ficha técnica, essencial para orientar o público desde o momento em que pretende adquirir bilhete, mas fico muito grata a José d´Encarnação por estar sempre atento ao que se passa no concelho em matéria de espectáculos e outros eventos culturais e por partilhar connosco.
    Bem haja.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui