ACABAR COM A MONARQUIA

A monarquia inglesa está sustentada na tradição. Quando a tradição tende a mudar, a monarquia corre perigos. É o que está a acontecer no Reino Unido quando nas ruas se grita "Not My King" (tradução livre: abaixo o rei).

0
866
colagem fotográfica

No dia em que Carlos III foi finalmente coroado, as ruas de Londres foram palco de várias manifestações anti monarquia. A polícia do reino deteve muita gente, como medida preventiva de eventuais excessos.

Nos corredores da política, onde a polícia não mete o bedelho (por enquanto), também há movimentações que procuram destronar o chefe do Estado.

Um desses atores antimonárquicos é a Fundação Sortition, onde se congemina a demolição paulatina do regime. Por exemplo, já apresentaram publicamente a ideia de substituir a House of Lords por uma House of Citizens. Traduzindo: apear os lords e substituí-los por cidadãos eleitos.

A House of Lords (Câmara dos Lordes) desenvolveu-se a partir do “Grande Conselho” (Magnum Concilium) que aconselhava o rei durante a época medieval. A época medieval já lá vai, mas há famílias que mantêm quase intactos os mesmos privilégios.

A House of Lords, é a segunda câmara do parlamento britânico, mas os seus membros são uma mistura de pessoas nomeadas pelo governo, aristocratas que herdaram a posição dos seus pais (!) ou representantes da Igreja Anglicana. Uma maioria de velhos e velhas barrigudos e barrigudas, sempre muito emproados.

A proposta da Fundação Sortition é a de criar uma câmara mais democrática, com uma assembleia de cidadãos a funcionar em permanência.

Um modo diferente de fazer democracia, transformar a política para melhorar a democracia – palavras de ordem da Fundação Sortition. Fonte: Sortition Foundation

Ninguém questiona a democraticidade atual do parlamentarismo inglês, apenas querem eliminar de vez os resquícios de tempos em que o poder não era democrático. Os reformistas da Fundação Sortition dizem que os privilégios dos Lords não fazem sentido, num tempo de enormes dificuldades para o cidadão comum, “é obsceno que mais de 100 milhões de libras por ano de dinheiro dos contribuintes vá para a Câmara dos Lordes, que parece uma aldeia de reformados para políticos desatualizados e caducos, uma espécie de bar aberto para esses políticos, uma relíquia dos tempos antiquados em que os assentos no governo eram um direito de nascença. Não admira que a maioria dos Lordes apareça adormecida ao volante.”

Um discurso nada meigo. Colocar em questão a existência desta câmara legislativa é questionar diretamente a própria monarquia. O rei é ali que se senta, entre os seus pares, num trono que mais parece um altar em talha dourada.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui