Terrorismo na Rússia

0
706

Um jornal tabloide austríaco publicou hoje uma história sobre a morte de Natália Vovk, a suspeita de ter feito explodir o carro de uma jornalista em Moscovo. O Exxpress titula que Natália Vovk foi morta com 17 facadas, num apartamento em local não identificado.

“Com 17 facadas no corpo e um pedaço de papel na mão”, descreve o jornal.  O jornal junta uma foto da alegada vítima com uma outra foto desfocada de um corpo deitado.

Na Rússia, a imprensa diz que se trata de fake news e que a fotografia desfocada é de alguém que morreu há mais de um ano.

Natália Vovk é a suspeita de ter feito explodir a viatura onde seguia Daria Dugina, filha do cientista político Alexander Dugin, nacionalista russo e apoiante da guerra movida contra a Ucrânia. Na altura, o atentado foi reivindicado por um grupo de dissidentes, autodenominado Exército Nacional Republicano.

Dias depois, a polícia russa indicava Natália Vovk como principal suspeita pelo atentado. Natália, entretanto, teria já saído da Rússia.

Natália Vovk

Hoje, esta publicação pode ter a intenção de tentar apagar o rasto de Natália Vovk que, certamente, é procurada pelos serviços secretos russos. Ninguém persegue quem já morreu.

O Exxpress é uma publicação populista e considerada pouco credível. É considerado próximo da direita austríaca, associado ao Partido Popular Austríaco, o partido do chanceler austríaco Karl Nehammer.

Hoje, Ilya Ponomarev, dirigente do chamado Exército Nacional Republicano (grupo que promove atos terroristas em território russo) festejou um outro atentado, que destruiu uma viatura pertencente a um oficial do Exército russo.

O terrorismo não é uma novidade na Rússia. Nos últimos anos, este tipo de contestação tem estado sob controle, mas desde que a guerra na Ucrânia recrudesceu, aumentou o número desse tipo de ataques.

Os apelos à revolta popular contra Putin estão a ser feitos no exterior da Rússia, através das redes sociais. Em consequência disso, há sinais evidentes de que esses apelos convencem alguns russos a agir. Vejam o vídeo:

vídeo

Leave a reply

Please enter your comment!
Please enter your name here