PALADINO DA “LIBERDADE”, Elon Musk não admite críticas

0
528

Elon Musk, o empresário que quer comprar o Twitter para fazer da rede social um espaço sem limites à liberdade de expressão, não tolera críticas internas nas empresas que dirige.

É assim que a Space X, a empresa de Musk dedicada às viagens espaciais, acaba de despedir os subscritores de uma carta que circulou internamente onde se criticava a cultura da empresa.

Segundo a agência Reuters, a carta apelava a maior harmonia nas relações laborais e criticava o estilo de gestão do patrão, apelidando Musk de “embaraço” para a imagem da Space X.

Ontem, a propósito do Twitter, Musk disse que com ele a plataforma irá permitir “coisas bastante escandalosas” desde que o conteúdo não seja ilegal. Mas o escândalo só é interessante quando serve para criar receita para o próprio Musk e desde que não o perturbe.

Ora, depois de ler a carta aberta que circulava na Space X, Musk sentiu-se perturbado e mandou investigar a autoria da missiva. Os cinco despedidos serão os responsáveis pela perturbação de Musk e foram despedidos. Na América é fácil, rápido e barato despedir um funcionário.

O jornal New York Times cita um diretor da Space X que justificou os despedimentos porque a carta provocou nos outros funcionários “desconforto, sentiram-se intimidados, zangados” porque a carta “não refletia as suas opiniões”. Não sabemos quantos funcionários ficaram perturbados desta maneira. Pelo menos, o patrão ficou.

Fundada por Elon Musk em 2002, a SpaceX tem desempenhado um papel central no programa espacial norte-americano, é também uma das duas empresas em que o Pentágono depende para lançar no espaço a maior parte dos satélites militares e espiões dos EUA.

Musk, dono da fabricante de automóveis Tesla Inc., tem estado nas “bocas do mundo” devido a uma acusação de assédio sexual, que Musk nega ter acontecido, mas que pagou para que não se falasse mais nisso…

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui