SALADA TEMPERADA COM VENENO

0
1048

Os governos da Europa estão a falhar nas suas obrigações de proteger a saúde pública. A acusação consta num recente relatório sobre contaminação com pesticidas de frutas e vegetais que consumimos todos os dias.

O relatório é da autoria da organização Pesticide Action Network Europe. É um documento extenso e nele constam os produtos mais envenenados que consumimos, os venenos mais utilizados e os países mais permissivos a este estado de coisas.

Quanto a vegetais, o perigo reside em quase tudo o que existe no mercado, mas à cabeça da longa lista estão aipos, couve de bruxelas e alface, como sendo os que contém maior quantidade de pesticidas.

Quanto aos pesticidas, foram detetados mais de 30 produtos potencialmente perigosos para a saúde pública. Nos primeiros lugares da lista estão “temperos” como fludioxonil, cyprodinil ou tebuconazole. O suficiente para qualquer um perder o apetite, não?

Quanto aos países que mais produzem alimentos envenenados, o podium está ocupado pela Bélgica, Irlanda e França. Portugal aparece no 11º lugar, numa lista de 35 países.

Quanto a Portugal, o relatório especifica que maçãs e peras portuguesas estão entre as frutas com maior quantidade de pesticidas perigosos detetados. O relatório diz que em 85% das peras e 58% de todas as maçãs testadas foi encontrada contaminação por pesticidas perigosos. Em lugar de destaque está também a cereja, onde em cerca de metade das amostras analisadas foi encontrado quantidades anormais de pesticidas.

A agricultura utiliza estes produtos venenosos para combater pragas e doenças infestantes e, assim, aumentar a produção. Trata-se de uma preocupação meramente economicista, que despreza as consequências que implica na saúde pública, nomeadamente na ocorrência de doenças cancerígenas. Com o aumento exponencial da agricultura intensiva, o problema agrava-se, diz o relatório que estamos a citar.

Criticando a indústria do setor que argumenta que não há alternativas aos pesticidas, a Pesticide Action Network Europe aconselha técnicas de agricultura biológica para controlar pragas. E acusa os governos de protelar a proibição de determinadas substâncias para proteger os interesses da agricultura intensiva usando produtos químicos. É a evidência da influência que os lobbys da agricultura intensiva exercem sobre os políticos.

capa do relatório Pesticide Action Network Europe 2022

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui