A morte de modelo da Guiné-Bissau é um ‘mistério’

0
1377

A morte de top-model da Guiné-Bissau Layla Costa continuará por explicar, apesar de ser considerada resultado de um ataque cardíaco.

O mundo da moda é pouco transparente e está cheio de problemas, das drogas à prostituição. Layla morreu há um mês, a 11 de novembro. Com apenas 24 anos.

Layla era da agência de Fátima Lopes e estava a fazer sucesso em Milão. Apareceu morta em casa. E muitos gostariam de acreditar nas explicações que foram dadas.

Alguma imprensa internacional compara esta jovem a uma personagem de uma novela brasileira “ Verdades Secretas “, onde uma modelo negra de nome Laila vive à base de remédios para emagrecer de modo a brilhar nas passarelas.
É por certo uma mera coincidência.

Mas há uma verdade: algumas top-model portuguesas, à semelhança de muitas top-models do mundo inteiro, a dada altura desaparecem e nunca mais se ouve falar delas. Ou, neste caso, aparecem mortas.

Uma das fatalidades das top-model tem sido a prostituição. Recordemos as ‘manifes’ contra o facilitismo dos show-rooms de hotel.

Foto retirada de um dos vídeos de Louis Vuitton impossíveis de encontrar na net por alegadamente terem sido apagados. (2013.03.23)

Para piorar o cenário lembremos os vídeos promocionais da Louis Vuitton onde as modelos apareciam semi-nuas a vaguear pelas ruas de Paris, numa imagem facilmente associável a prostituição.

Para muitos, a morte de Layla Costa continuará um mistério que ficará ‘guardado a 7 chaves’.

Leave a reply

Please enter your comment!
Please enter your name here