Fernando Nobre e Daniel Sampaio ou a diferença entre a sorte e o azar

Não conheço Daniel Sampaio, para além do que dele se diz e escreve nos media. Tenho apreço pela atividade de Fernando Nobre no campo da ajuda humanitária em situações de pós-conflito e calamidades naturais em todo o Mundo, através da AMI - Assistência Médica Internacional. Em 1999 fui distinguido com a Menção Honrosa do Prémio de Jornalismo da AMI - Jornalismo Contra a Indiferença e no ano 2000 venci esse Prémio.

1
1968

Daniel Sampaio e Fernando Nobre são ambos médicos e sobejamente conhecidos. Os dois estiveram infetados com covid-19. Daniel Sampaio passou 50 dias internado, em coma induzido. Fernando Nobre diz que se curou com “com medicamentos que não estão aconselhados para a covid-19”.

Daniel Sampaio escreveu um livro sobre a sua experiência de “quase morte”, a que chamou “Relato de Um Sobrevivente”. Fernando Nobre vai enfrentar um processo movido pela Ordem dos Médicos por ter feito declarações públicas de repúdio das regras sanitárias de combate à pandemia.

No livro, Daniel Sampaio escreve que “é preciso dizer que as pessoas não se conseguem mexer, os músculos são afetados pela doença e a pessoa, como eu digo no livro, nem sequer consegue fugir, há uma imobilidade total na fase aguda da doença e uma sensação de mal estar terrível”. O médico psiquiatra relata uma experiência assustadora e que “é preciso dizer que esta é uma doença muito grave.”

Fernando Nobre, médico cirurgião urologista, afirma que quando ficou doente se tratou a si próprio, assim como à mulher e à filha. “Numa semana estávamos todos bem”, assegurou Fernando Nobre.

Sampaio acredita nas vacinas. “As vacinas foram muito estudadas, muito experimentadas e administradas aos milhões no mundo inteiro. Os efeitos adversos são muito pequenos em relação ao número de administrações e a vacina protege sobretudo em relação à doença grave e à morte. Se estivesse vacinado, não teria tido uma doença tão grave”, e diz que é preciso “ir junto dessas pessoas (que se manifestam contra a vacinação) e chamá-las à discussão”.

Nobre desconfia das vacinas e diz até que o uso de máscaras é dispensável. “Sinto-me coagido nas minhas liberdades, direitos e garantias que são indeclináveis e que não podem estar sujeitas a interpretações porque isso pode-se tornar perigoso”, diz relativamente à obrigatoriedade do uso de máscaras. Quanto às vacinas anti-covid, considera “inacreditável” vacinar crianças e jovens dos 12 aos 16 anos.

Estes dois casos tão diferentes entre si são o paradigma desta doença. Os médicos que têm estado na chamada linha da frente hospitalar, dizem que num milhão de doentes infetados não há duas situações iguais. A atuação deste coronavírus não tem um padrão definido, os sintomas são multiplos e de gravidade muito variável de doente para doente. O que não justifica posicionamentos negacionistas e de menosprezo da doença que podem significar a morte de pessoas. Digamos que Fernando Nobre teve sorte. A infeção passou de raspão por ele. Daniel Sampaio foi atingido em cheio e esteve às portas da morte.

1 COMENTÁRIO

  1. No caso de Fernando Nobre, a doença pode não o ter atingido fortemente porque o seu sistema imunitário poderá ter sido fortalecido por força da sua actividade nos submundos por onde passou.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui