Nikita

0
437

Sou fã do Lars Von Trier, dá-me sempre um soco no estômago, sempre, mas ontem estava preparada. Comecei a ver The House That Jack Build e… adormeci. Isso é quase impossível com este realizador mas a cabeça só quer fazer pause, se o filme me obriga a pensar e a penar a cabeça faz shout down.

Hoje o filme foi escolhido por um dos meus actores preferidos e o drama era garantido. Assim que o mar engoliu a terra, logo no início, rolaram umas lágrimazitas que a pele absorveu antes de chegarem à boca e sentir uma pitada de sal. O drama seguiu, a minha vida dramática  foi atrás.

No nosso primeiro tsunami fiquei nas montanhas, serena. Acreditei num final feliz até levarmos com outra onda esmagadora, ainda maior. Aí os problemas e problemazinhos da casa iam-me levando à loucura, o trabalho feito a custo, os projectos esconderam-se na gaveta, até o gato se escondeu na gaveta, os números, estatísticas e opiniões na tv, deram-me vontade de vomitar. E   apareceu  Nikita, o code name para o monstro que há em mim.

Numa viagem de Uber gerou-se uma discussão irreal com o condutor mas permaneci calma. Passei para o banco atrás dele, segurei-lhe a cabeça com as mãos e tráz, páz! Num movimento certeiro, limpo, parti-lhe o pescoço, vi-o tombar inerte no banco do pendura e assumi a condução, afinal estava atrasada.

Numa teima sobre uma consulta marcada e desmarcada, a oftalmologista de bata branca, óculos azuis, sentada à secretária de um consultório branquinho, disse-me com uma condescendência maternal: “Vá, vá, vamos lá marcar uma nova consulta”. Passei-me, peguei-lhe nos óculos, fechei-os na mão e, tal e qual como vi numa cena do Padrinho, espetei-os na garganta e fiquei a apreciar o  sangue a jorrar pelo consultório branquinho. “Vá, remarca lá agora a consulta!”

Mas é na indian street que Nikita encontra a zona de conforto. Uma saia rosa por cima de umas leggings pretas, botas, casaco de cabedal preto comprido, óculos escuros, luvas pretas, uma peruca rosa. Começo a andar pelo meio da rua devagar, revólver com silenciador na mão e, discretamente, com uma calma de morte, atiro a matar a todos os que por ali se passeiam, fumam, conversam sem máscaras como se o tsunami fosse um filme de ficção. Deixo um rio de cadáveres atrás, mando a saia e a peruca rosa para o caixote do lixo, deixo a arma cair no chão e ninguém me apanha.

Decido ir beber uma mini a casa de uma amiga, a minha guru do bom senso e harmonia,  confesso-lhe que sou uma agente secreta implacável ao serviço da saúde pública.

Ao contrário do que esperava ela ri-se, conta que viu uma estrangeira mandar um papel para o chão, com um caixote do lixo a dois metros. Teve vontade de pegar nela pelos cabelos, fazê-la apanhar o papel com a boca, obrigá-la a pôr o papel no caixote e, a seguir, metê-la a ela no lixo! Desatámos a rir às gargalhadas. Depois parámos. Yap, estamos todos avariados…

O tsunami, ao que parece, está a chegar ao fim, o filme verdadeiro também chegou com um final feliz. Sobreviveram e reencontraram-se todos. No helicóptero Ewan Macgregor diz à mulher: vai ficar tudo bem.

Sim, vai ficar tudo bem, claro que vai. Está a ficar tudo bem! Mas, pelo sim pelo não, saio apenas para compras e beber café na minha esplanada chinesa que está quase sempre vazia. Faço uma visita à minha modista, vou a casa de uma ou outra amiga, de vez em quando também recebo uma visita. E chega. Percebi que o melhor que posso fazer neste desconfinamento, por enquanto, é ficar semi confinada. Mas, cada vez que vou à net só me aparece pela frente publicidade a perucas laranja…

Leave a reply

Please enter your comment!
Please enter your name here