Covid-19: afinal pode haver um “berbicacho” com a vacina AstraZeneca

0
1138

Estão a aumentar o número de novos casos de infetados com o coronavírus. O boletim epidemiológico regista hoje 874 casos, o valor mais elevado desde o início de março. O boletim da Direção Geral de Saúde regista ainda duas mortes, 504 pessoas internadas, 113 em cuidados intensivos. Em resumo, menos mortes e internamentos em enfermaria, mais gente nos cuidados intensivos e mais novos casos de contágio, nas últimas 24 horas.

É evidente que quantos mais infetados houver, mais pessoas acabarão por ir parar ao hospital e ao cemitério.

O primeiro-ministro manifestou-se hoje preocupado com a velocidade de transmissão das infeções de covid-19 nas escolas, que associou à variante britânica, e afirmou estar em curso um reforço da testagem e um alargamento da vigilância.

Contágios nas escolas

Na verdade, se as escolas revelarem ser veículo para a propagação da doença, vamos ter um problema. Por mais quês e tente, não é possível manter centenas ou milhares de crianças permanentemente sentadas e as escolas não estão estruturadas para gerir uma situação pandémica: com turmas sobrelotadas e áreas comuns exíguas, não há distanciamento físico possível.

Confrontado com dados que indiciam um aumento dos contágios entre crianças, sobretudo desde que reabriram as escolas em 15 de março, o líder do executivo reconheceu estar apreensivo, principalmente porque na maioria dos contágios verificados estáimplicada a nova variante britânica do vírus.

Nesse sentido, disse o primeiro-ministro, após a identificação de um caso com uma criança numa escola, “estão também a ser testadas as respetivas famílias”.

“Berbicacho” com a AstraZeneca

Quanto à vacinação, o primeiro-ministro admitiu que pode existir um “berbicacho” com a vacina da AstraZeneca. Depois de vários casos verificados um pouco por todo o Mundo de tromboembolismos apos a tomada da vacina, a Agência Europeia do Medicamento está a reavaliar a utilização dessa vacina.

“Se houver um berbicacho, então isso terá inevitáveis consequências no processo de vacinação”, disse o primeiro-ministro.

O Governo português espera pela decisão da União Europeia, qualquer que ela seja. António Costa referiu que o processo de vacinação na Europa tem estado “fortemente condicionado pela capacidade de produção a montante”, designadamente “pelo incumprimento por parte da AstraZeneca das suas obrigações contratuais”.

“Se houver restrições acrescidas, isso traduzir-se-á inevitavelmente numa maior morosidade na forma de desenvolvimento do plano de vacinação”, reforçou o primeiro-ministro.

António Costa adiantou que, neste momento, na União Europeia, não há vacinas alternativas para substituir imediatamente as da AstraZeneca.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui