Contra o catastrofismo e a austeridade… a esperança

Estamos à espera de quê? – Perguntava em 28 de março de 2020, já farto de pregar no deserto e ainda a ser insultado. E invocando a minha qualidade de profissional de Saúde com inquestionável biografia, ainda defendi que confirmada a inutilidade de certas estratégias médicas em curso, torna-se urgente que o MS e a OM se articulem e que difundam, ao minuto, as melhores práticas a exercer pelos heróis que, na frente da batalha, arriscam as suas vidas para nos salvar.

0
869

É hoje um dado indesmentível que a causa principal de internamentos e da alta letalidade, verificados no início da pandemia, se deveu ao desconhecimento sobre uma nova doença, que apresentava sintomas e sinais muito estranhos e de difícil interpretação clínica: uma verdade que só quase um ano depois os “epidemiologistas” admitiram, tendo sempre insistido numa tese que, olhando para NÚMEROS e não para PESSOAS, assentava no esforço de testagem que, de repente, viera acrescentar muitos novos casos, até aí não detetados por assintomáticos. 

Tratava-se de meia-verdade, porque as estatísticas posteriores provaram claramente que, com números já comparáveis de novos casos, as curvas dos internamentos, incluindo a mortalidade em cuidados intensivos, melhorou substancialmente.

Sem dúvida que a evolução dos conhecimentos médicos, e a uniformização de procedimentos, sempre foram fatores decisivos: em abril de 2020, o SNS abanava com mil novos casos/dia; o mesmo já não acontecia em março de 2021. Hoje, em abril de 2021, temos garantidamente uma margem de segurança muitíssimo mais larga. 

Recusando trabalhar com “erres” que ninguém usa, e “policromias” que ninguém entende, é mais que tempo de relançar a esperança e a economia.

No dia 25, boa notícia e que vem ao encontro daquilo que ando a afirmar há mais de um mês, nem uma só morte se registou. 

Consolidado o número de novos casos na ordem das poucas centenas, só o catastrofismo e a incompetência podem recomendar a continuação de confinamentos que, há muito, poderiam ter sido aliviados, obviamente debaixo de devida e apertada monitorização.

Mas que podemos fazer, se Portugal é o país do oito e do oitenta? 

Leave a reply

Please enter your comment!
Please enter your name here