Milhares de azulejos século 18 roubados do Paço Real de Caxias

6
10903

Sempre que se fala na necessidade de preservar património histórico edificado, pensa-se em hotéis. Por vontade de alguns, Portugal teria um hotel instalado em cada palácio e castelo construído. É uma ideia, mas não funciona. É uma ideia de gestores públicos preguiçosos. É uma ideia de dirigentes políticos incompetentes. E é uma ideia que tem levado à ruina boa parte desse património que devia estar preservado e acessível ao público.

O caso do Paço Real de Caxias é paradigmático. Palácio do século 18, pertence ao Ministério da Defesa. Deixaram as madeiras apodrecer e o estuque cair. Roubaram milhares de azulejos de grande valor artístico. Alguém investigou os sucessivos assaltos? A tropa participou os crimes à polícia?

.

Era um palácio repleto de azulejos semelhantes aos do Palácio de Queluz. Um pequeno palácio com tetos e paredes pintadas de grinaldas de flores e outros ornamentos. Foi construído em meados do século 18 e, rezam as crónicas, resistiu ao terramoto de 1755. Quem sabia o que lá estava antes dos assaltos eram os responsáveis dos monumentos nacionais que em 1953 o classificaram como imóvel de interesse público. Deve haver num arquivo qualquer uma memória descritiva deste Monumento Nacional.

Quando os reis iam a banhos à praia de Caxias, era ali que pernoitavam. Quando o edifício passou para a tutela das Forças Armadas o Instituto de Altos estudos Militares instalou-se ali. Ainda há pouco tempo havia documentos antigos amontoados e a apodrecer nas salas do rés-do-chão do palácio, apesar do instituto já ter saído dali em 1956.

Também há sinais de tentativas de fogo-posto, muitos desses documentos antigos estão queimados. “Num vão de escada vê-se um monte de papéis velhos que sobraram de um fogo ateado que só não reduziu tudo a cinzas porque não calhou. Mais do que papéis velhos há documentos e livros chamuscados. Alguns com datas do princípio do século passado e até mais de trás,” relata o blog O Voo do Corvo num texto publicado em 2015.

Depois apareceram os idiotas do costume. Vai ser um hotel! Os soldados esfregaram as mãos de contentamento e já se imaginavam garbosos porteiros do futuro Hotel Turim. Os políticos livravam-se de uma carga de trabalhos, também acharam que era boa ideia. O presidente da Câmara Municipal de Oeiras teria preferido ser ele a fazer o negócio, durante anos a Câmara Municipal de Oeiras cuidou dos jardins onde estão várias esculturas de Machado de Castro. Mas os militares acabaram por denunciar o protocolo e o investimento camarário gorou-se. Faça-se o hotel, pensou Isaltino.

Era um “negócio da China” para o grupo hoteleiro. Por apenas 18 mil euros de renda mensal ficaram com um palácio do século 18 para recuperar e adaptar, área bruta total de construção é cerca de 5.816,93 metros quadrados, o que permitiria a instalação de um hotel com 120 quartos. Mais os jardins e a famosa cascata, igualmente integrados no património dos monumentos nacionais. Um luxo. Isto foi em janeiro, antes da pandemia. Passou um ano e nada foi feito, o que é compreensível. Resta saber se a empresa hoteleira se mantém firme nos planos de investir 11 ou 12 milhões de euros na recuperação do edifício. Ou se é para esquecer.

(nota: as fotografias assinadas “MD” são da autoria de Márcio David tal como consta na página do Facebook “Fotografias de Márcio David“), as restantes são de autores ainda por identificar).

6 comments

  1. Lamentavelmente não identificaram o autor da maioria das imagens fotográficas… (nem solicitaram nenhum tipo de autorização para as publicarem)

    • São fotografias muito partilhadas nas redes sociais e na net de um modo geral, fica difícil verificar a origem dessas fotos. Algumas estão assinadas “MD” e penso que o autor se dará por satisfeito, já que foi assim que quis ser identificado. Outras não estão e não é possível saber de quem são. Eu próprio publico muitas fotografias que não assino e não me queixo.

  2. Seria correto da vossa parte darem os creditos ao autor de algumas das fotos que usaram ou no minimo pedirem autaorizaçao para as usar…..

    • Algumas fotos estão assinadas. Outras não estão. A origem das fotos é difícil de definir porque já foram muito partilhadas na net e redes sociais. Se souber de quem são de modo irrefutável, diga que iremos confirmar essas autorias. Obrigado

    • É a mesma coisa e nem todos sabem ler numeração romana. Quando se escreve para toda a gente não faz sentido querer ser erudito.

Leave a reply

Please enter your comment!
Please enter your name here