Lila e João, Fado Bicha

0
1135

Não, não passam nos programas de família das manhãs ou das tardes televisivas. E também devem estar no índex da Rádio Renascença. Por outro lado, têm tudo para ser um sucesso, a não ser que o céu e a inveja lhes caiam em cima.

Inspiraram-se em Amália, mas são tudo menos convencionais. Provocação e ativismo são os pilares políticos destes dois artistas que têm um projeto que dá pelo nome de “Fado Bicha”.

Na verdade, podem cantar o que quiserem, mas deu-lhes para o fado. Mas sem aquele sentimento profundo da saudade tão portuguesa. Do modo como o fazem, dão voz à comunidade LGBTI [Lésbica, Gay, Bissexual, Trans e Intersexo], denunciam o racismo e as desigualdades, as memórias da escravatura e da colonização.

Os videoclips são mais uma ferramenta desta ofensiva cultural protagonizada por Lila Fadista e João Caçador. O poder da imagem é usado como rastilho de uma mensagem revolucionária porque limpa e verdadeira. E como dizia o outro, “só a verdade é revolucionária”. E a verdade é que sempre existiram homossexuais, desde toureiros a engenheiros, trolhas ou fadistas, ministros e militares. Personagens reais, mas que não constavam nas letras do fado tradicional. Agora, já constam nas líricas do Fado Bicha. As almas mais sensíveis não devem ver o videoclipe que agregamos já a seguir.

Visivelmente inspirado em Amália, o fado “Namorico do André”. A paixão ardente entre André, o peixeiro, e Chico, o pescador.

Lila e João, de certeza que há vidas mais fáceis. Há uns meses que desapareceram das redes sociais. O último vídeo no YouTube foi colocado há mais de 6 meses. Do Facebook disseram adeus a meio de janeiro. Mas como prometeram não se calar, um dia destes estão por aí outra vez.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui