Abençoado Álvaro Cunhal

Voltou o homem bom que nos livrou do comunismo: Álvaro Cunhal, líder Partido Comunista Português, durante décadas, com sucesso. Regressou por causa de Isabel do Carmo, Carlos Antunes e o Covid. Isabel têm hoje um ar quase angélico, graças ao Álvaro

0
722

Isabel do Carmo e Carlos Antunes quiseram fazer de Portugal uma Cuba ao virar do Atlântico para o Mediterrâneo. A principal rota do abastecimento de petróleo da Europa Ocidental. No dia 25 de Novembro de 1976, há 45 anos.

Não fosse a lucidez de Álvaro Cunhal, alertado para a pré-falência da URSS, seria o caos. Isabel do Carmo e Carlos Antunes montaram uma máquina bélica de extrema-esquerda que me foi descrita por Altino Dias de Oliveira, em Dezembro de 1980, numa entrevista que encheu todas as páginas da Revista do Expresso.

Altino havia afirmado, seis meses antes no Tribunal de Porto de Mós, que assaltava bancos para o PRP-BR de Isabel do Carmo e Carlos Antunes. Foi preso pela Brigada dos Bancos da PJ, com Moita Flores como agente. 

Era provavelmente um infiltrado no PRP-BR. Mas o seu minucioso depoimento sobre Isabel do Carmo e Carlos Antunes nunca foi negado. Ficámos a saber como foi preparado e travado o golpe extremista na Avenida Frei Miguel Contreiras. Uma coisa de miúdos. Os líderes ficaram trancados em casa por um infiltrado.

A entrevista de Altino chocou. Ocorreram várias mortes. Gaspar Castelo Branco, diretor da Penitenciária de Lisboa e facilitador da entrevista, foi abatido a tiro. Eu fiquei com a minha Renault 4L transformada numa pick-up, num acidente provocado, no primeiro semáforo de quem desce a Rua Castilho. E perguntei: Então e agora? Resposta: “É atirador de precisão, se tem dúvidas, dispare” E se matar? “Prefere estar vivo ou morrer?” Estar vivo! “Então dispare e logo se vê!”

Álvaro Cunhal era um homem inteligente, patriota. Percebeu que não tínhamos comunistas de raiz e que a URSS estava exausta de tantas guerras. Como relatou John Le Carré na ficção “A Casa da Rússia”. O comunismo em Portugal seria uma piadola! 

Até sempre Álvaro. Abençoado sejas. Um abraço amigo. 

Perguntava-me ele “quanto tempo vais pôr na reportagem do TJ?” 40 segundos! E eram 40 segundos que ele falava. Um homem extraordinário que nos poupou ao comunismo dos travestidos e de Isabel do Carmo e Carlos Antunes.  

Leave a reply

Please enter your comment!
Please enter your name here