A igreja disfarçada

Do lado de fora não dá nas vistas. Quem não conhece, passa e nem repara. É um edifício de traça semelhante a todos os outros da mesma rua. Apenas uma cruz por cima da porta assinala a entrada para uma das mais belas capelas de Portugal.

0
6287

Na Baixa de Lisboa há um tesouro histórico, religioso, numa igreja disfarçada num prédio. O número 140 da Rua de S. Julião, onde era a Rua Nova, quando ainda existia o Chafariz dos Cavalos, muito antes do terramoto de 1755.

A igreja da Nossa Senhora da Oliveirinha foi mandada construir há 700 anos por um casal de ricos joalheiros de Guimarães. Arruinou-se, foi erguida e de novo derrubada pelo terramoto de 1755. Voltou a ser refeita no mesmo local, com as paredes forradas com uma vasta colecção de valiosos azulejos.

São painéis da Real Fábrica de Louça do Rato, do final do século XVIII. A Virgem Maria é tema central, desde o seu nascimento, ao casamento, à anunciação e à morte.

Quer se seja ou não crente, a Igreja da Nossa Senhora faz parte de um testemunho teimoso de fé. Foi graças à história de um Cristo redentor que fizémos um caminho que nos deu Rafael, Miguel Ângelo, Van Gogh, Picasso, Klimt, Andy Warhol. E não esqueçamos o belo tecto desta igrejinha. Claro, falamos só do lado bom da história do Jesus, que ralhou muito com doutores do Templo porque não eram rigorosos nos ensinamentos da religião judaica.

Leave a reply

Please enter your comment!
Please enter your name here