Agressões e insultos a jornalistas na manifestação do Rossio

0
3082

Na manifestação de ontem, no Rossio, houve de tudo desde agressões e ameaças a jornalistas, a gente concentrada sem usar máscara, mas não se viu a PSP a intervir, excepto na ocasião em que tirou os jornalistas do Observador do meio da multidão. Neste caso, a polícia evitou a continuação das agressões mas não identificou nenhum dos agressores.

Não há quem não perceba que o setor da restauração está com a corda na garganta. Depois de terem fechado portas em março, abril e maio, depois de um verão fraco em termos turísticos, as novas restrições são entendidas como a gota que faz transbordar a água do copo. O governo anunciou apoios considerados insuficientes e os chefs de cozinha querem mais.

Na verdade não se tratou apenas de uma manifestação. Aos cozinheiros juntaram-se os negacionistas, os que dizem que a pandemia é apenas uma “constipação” ou pouco mais. Todos juntinhos e sem máscara. Também aqui não se viu a polícia agir, nem sequer a tentar sensibilizar os infratores para a obrigatoriedade do uso de máscara em situações onde não é possível garantir o distanciamento físico entre as pessoas.

Segundo os relatos dos repórteres que lá estiveram, a manifestação não cumpriu o horário do recolher obrigatório.

Sobre as agressões, ameaças e insultos a jornalistas, o Sindicato dos Jornalistas condena e lamenta a situação. Em comunicado frisa que “vivemos todos tempos difíceis, mas a insegurança ou a revolta não podem justificar nunca ameaças aos jornalistas, que estão no desempenho da sua missão de informar”. E lembra que sem jornalistas a voz dos que protestam teria menos impacto na opinião pública. É verdade, mas cada vez menos. As alternativas de comunicação de massas, nas redes sociais, são já bastante eficazes.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui