“Bruscamente no Verão Passado” em cena no Mirita Casimiro

1
788

Estreou na sexta-feira, 10, no Teatro Mirita Casimiro, a 165ª produção do Teatro Experimental de Cascais: a peça «Bruscamente no Verão Passado», do americano Tenessee Williams (1911-1983).

Versão e dramaturgia da Dra. Graça P. Corrêa, investigadora em Ciência e Arte na Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa e docente no Mestrado em Encenação e Artes Performativas da Escola Superior de Teatro e Cinema, que, além da carreira académica, tem sido encenadora, cenógrafa e dramaturga. A encenação é de Carlos Avilez; a cenografia e figurinos, de Fernando Alvarez.

De interesse para a compreensão da peça são os textos de apoio facultados, organizados por Graça P. Corrêa, onde podem consultar-se: a ficha técnica do espectáculo; o texto da organizadora, «Violência e sublimidade», com desenhos de Fernando Alvarez; mui circunstanciada biografia do autor, que tem como cólofon a frase «As violetas nas montanhas quebraram as pedras!», inscrita no túmulo do autor, retirada da peça “Camino Real”.

Há, de seguida, um rol de frases de T. Williams. Se fora um historiador a transcrevê-las, poria o livro e a página donde foram retiradas. A internet está cheia de frases atribuídas a este ou àquele, mas desgarradas por completo do seu contexto. Por outro lado, uma selecção de frases é sempre a selecção de alguém que pensa de determinada maneira e, que, por isso, também nelas acaba por se rever. Uma das frases citadas particularmente me tocou: «Amigos são a maneira de Deus nos pedir desculpas pelas nossas famílias».

Na p. 10, aborda-se a relação do dramaturgo com o poeta, a utilização da poesia no teatro. Sebastien, o jovem assassinado «bruscamente no Verão Passado», era poeta; escrevia um poema por ano. Boa parte do texto da peça, nomeadamente a fala inicial da mãe a evocá-lo – excelente interpretação de Manuela Couto! -, está eivada, de facto, de mui saboroso halo poético.

Segue-se a entrevista dada a Dotson Rader (Paris Review 5, nº 81, 1981), em que Tenessee Williams fala da sua vida, da ala psiquiátrica em que, a dado momento, foi internado, da sua negação duma outra vida após a morte, ainda que admirasse «a imagem de Cristo, a Sua beleza e pureza, os Seus ensinamentos, sim…». Ilustra-a a fotografia de Tenessee, a fumar, pensativo, cabelos soltos, diante da folha branca da máquina de escrever…

Valerá a pena ler o ensaio de Graça P. Corrêa «Ecos autobiográficos e míticos em ‘Bruscamente no Verão Passado’» (6 páginas, ilustradas). Mostra a investigadora o paralelo entre Sebastian Venable, a personagem fisicamente ausente mas permanente em cena nas constantes alusões que lhe são feitas; são as circunstâncias da sua morte que, ao longo da peça, se tentam descortinar, até que, no final, perante a confissão de Catherine, o psiquiatra declara: «Acho que devemos, pelo menos, considerar a possibilidade de que a história da jovem possa ser verdadeira». Bem sugestiva a relação com a lobotomia, excisão de lóbulos cerebrais para tratamento, por exemplo, da esquizofrenia, prática a que está ligado o nosso Prémio Nobel Egas Moniz. E, também, o paralelismo entre a morte de Sebastien e o martírio de S. Sebastião e entre Catherine Holly (‘incarnação’ da sua irmã, Rose) e Santa Catarina de Alexandria.

Transcreve-se – antes da apresentação de pormenorizados currículos dos principais intervenientes no espectáculo – uma ‘introdução’ ao texto, da autoria do dramaturgo norte-americano Martin Sherman, datada de 1987, não se indicando, porém, donde foi retirada.

Então, e a peça?

Sim, tem toda a razão a pergunta, porque me perdi nos Textos de Apoio… Violet, a mãe, é superiormente interpretada pela experiente Manuela Couto; Catherine Holly é Bárbara Branco (excelente!); Bernardo Souto, um perspicaz e silencioso Dr. Cucrowicz; Teresa Corte-Real, a Sra. Holly; João Gaspar, George Holly, sempre de raquete de ténis a mostrar-se desportista; Luísa Salgueiro incarna a soturna Irmã Felicidade; e Lídia Muñoz (Miss Foxhill) movimenta-se para que nada falte a ninguém.

A minimalista nudez do cenário; o guarda-roupa creme, o ambiente creme – em que, amiúde, como é timbre de Carlos Avilez, o silêncio fala mais alto – e a mui regrada movimentação dos actores eficazmente contribuem para que se obnubile o drama que, durante 1 h e 45 m sem intervalo, mesmo a nossos pés se desenrola.

Escreve Graça P. Corrêa que todas as personagens da peça «surgem atormentadas por um ‘horror interno’ contra o qual lutam». Não é, de facto, uma comédia, mas sim o retrato cru de vivências complexas; contudo, a excelência da encenação e das interpretações – mormente as das duas protagonistas, a merecerem amplos encómios – faz-nos esquecer tudo o mais.

O espectáculo está em cena de quarta a domingo, até 2 de Agosto, a partir das 21.30 h.

1 comment

  1. Há muito mais a dizer sobre Tenessee Williams, e ‘Bruscamente, no Verão Passado’, nomeadamente sobre Sébastien, e a sua homessexualidade, tal como a do autor… Mas, foge se disso, continua se a fazer crítica com tabus. Faz pena!

Leave a reply

Please enter your comment!
Please enter your name here